Natanael Debaixo da Figueira – Alguma Coisa Boa de Nazaré?

Natanael Debaixo da Figueira – Alguma Coisa Boa de Nazaré?

Natanael é uma testemunha crucial para o entendimento da Salvação do MUNDO! No Evangelho de João nós lemos sobre muitas testemunhas. Todos estão testificando. O contexto literário de João, parece ter uma corte de testemunhas, que são chamadas para contar as suas histórias, de como interagiram com Jesus.

E quando vamos nos aproximando do final do primeiro capítulo, nós encontramos um outro tipo de testemunha – Natanael. Realmente, o seu encontro com Jesus é muito interessante. A primeira reação de Natanael, ao saber que Felipe e outros haviam encontrado o Messias, foi deveras desapontador, Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?.

a figueira de natanael A Figueira de Natanael Simboliza Todo o Israel.

Pode Vir Alguma Coisa Boa de Nazaré?

Por muitos séculos, esta frase deixou os intérpretes muito confusos! O que havia de errado com Nazaré? Nazaré era uma vila pequena. E de acordo com evidências arqueológicas, não mais do que 200 pessoas moravam na cidade, naquela época. Ela era ofuscada pela cidade “Romana” de Séforis (Tzipori), um grande centro urbano com uma população cosmopolita, e que ficava a apenas seis quilômetros de distância.

Nazaré servia como um centro administrativo da região da Galileia, que estava sobre o controle de Herodes. Jesus passou uma razoável parte de sua vida lá, na sua infância e juventude, acompanhando seus pais, e por uma variedade de razões relacionadas com a vida cotidiana.

Como carpinteiro-construtor, é mais provável que Jesus tenha trabalhado durante a extensa construção da cidade de Séforis. Embora seja preciso um estudo mais detalhado, podemos dizer que a pequena cidade de Nazaré (mesmo para os padrões da época), era conhecida por ser um tipo de afiliada, ou representante, da visão teológica e ideológica da província da Judeia, na Galileia.

E essa afiliação ideológica da cidade de Nazaré (que ficava na GALILEIA) para com as Autoridades Religiosas da região da JUDEIA (e Jerusalém, portanto), era algo visto como negativo pelos outros grupos Israelitas da época de Jesus. Os de Nazaré eram vistos como representantes de Jerusalém, na região da Galileia.

O nome dessa vila, provavelmente vem do texto Hebraico do livro do profeta Isaías 11:1:

Veyatza roter miguezah Yshai VENETZER misharashaiv yfreh

“Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo [RAMO] frutificará”
Isaías 11:1

Nesta passagem de Isaías, a palavra “renovo” é na verdade NETZER, que significa RAMO. A sonoridade do termo NETZER influenciou o nome da cidade em Hebraico, que era chamada de NATZRAT. Daí vem o nome Nazareno, que é ligado à profecia de Isaías.

Nazaré rejeitou Jesus de forma radical, embora fosse a Sua cidade. Isto reflete que esta vila, bem como a cidade de Caná, estavam sob o controle religioso das Autoridades da Judeia, os chamados “Judeus” (Israelitas oriundos da província da JUDEIA), como explicamos em aulas anteriores.

No geral, o Evangelho de João pinta um quadro em que fica claro que a recepção de Jesus na Galileia é o oposto da rejeição que Ele sofria na Judeia. Ironicamente, o nosso Mestre pertencia muito mais à Judeia (nasceu em Belém da Judeia), do que à Galileia. A maioria das vezes em que Jesus foi aceito, e reconhecido como o Messias, se deu na Galileia. Enquanto que a rejeição foi quase que exclusivamente proveniente dos habitantes da Judeia.

Provavelmente, a revelação que João nos traz em 1:11, Veio para o que era seu, e os seus não o receberam, deve ser lido em conexão com a grande JUDEIA-JERUSALÉM-AUTORIDADES-RELIGIOSAS rejeição de Jesus. Afinal de contas, Jesus também era um Israelita JUDEU, e era TEMPLO CENTRISTA (Jesus ensinava no Templo), que foi rejeitado por outros Israelitas JUDEUS, TEMPLO CENTRISTAS (Fariseus, Saduceus, e os Sacerdotes).

Assim, em Jerusalém, e nas cidades da Galileia que estavam sob o controle das Autoridades de Jerusalém, Jesus foi rejeitado!

O Encontro com Natanael

47 Ao ver Natanael se aproximando, disse Jesus: “Aí está um verdadeiro Israelita, em quem não há falsidade”.

48 Perguntou Natanael: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Eu o vi quando você ainda estava debaixo da figueira, antes de Filipe o chamar”.

49 Então Natanael declarou: “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel!”

50 Jesus disse: “Você crê porque eu disse que o vi debaixo da figueira. Você verá coisas maiores do que essa!”

51 E então acrescentou: “Digo-lhes a verdade: Vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.”

(João 1:45-51)

Quando Natanael seguiu o conselho de Felipe e foi ver Jesus, ele foi bem recebido (verso 1:47), com as palavras: “Aí está um verdadeiro Israelita, em quem não há falsidade”. E o Mestre assegura a Natanael que o tinha visto, de antemão, debaixo de uma figueira, fazendo algo que somente Natanael sabia.

E este responde a Jesus, “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel!  As palavras “Filho de Deus” e “Rei de Israel”, constituem na gramática Hebraica o que chamamos de Paralelismo, ou seja, são termos que possuem o mesmo significado e são postos um após o outro para reforçarem a mensagem que se pretende transmitir.

E como temos tentado explicar neste estudo, é muito significante que Jesus não tenha chamado Natanael de JUDEU. Repare, Jesus não diz, “Este é um verdadeiro Judeu, em quem não há falsidade“. O Mestre usa um termo genérico, “um ISRAELITA”. Este termo é muito mais perfeito para alguém que não tinha as suas origens na Província da Judeia.

Quem sabe Natanael poderia ser um Israelita Samaritano (lembre que o Profeta Eliseu era Samaritano, Elias também era). Ou quem sabe ele era Galileu, como Pedro era. Ou até mesmo, ele poderia ser oriundo de outras partes de Israel, ou outros movimentos Israelitas da época.

E você, meu caro aluno, deve estar se perguntando do porquê termos que abordar esse assunto. Em que isso nos interessaria? Em muito! Vamos por meio desse encontro, entender onde nós os Gentios, que não somos Judeus, entramos nessa história da Redenção.

O próprio Natanael se refere a Jesus como sendo não somente REI DOS JUDEUS (OS DA JUDEIA), mas como o REI DE TODO O ISRAEL (DE TODAS AS PARTES DE ISRAEL E DE TODOS OS GRUPOS ISRAELITAS).

“tu és o Rei de Israel!” João 1:49

E de fato, Biblicamente falando, o REINO de ISRAEL seria, e já é maior do que se imagina. Esse Reino foi primeiramente prometido a ABRAÃO. Vamos relembrar a promessa que Deus fez ao Pai dessa grande nação?

Reafirmando a Promessa

“E disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente;”
Gênesis 13:14

“Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre.”
Gênesis 13:15

“E farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se alguém puder contar o pó da terra, também a tua descendência será contada.”
Gênesis 13:16

O Senhor reafirmou a promessa da terra para Abrão e sua descendência pedindo a ele para levantar seus olhos e olhar em cada sentido. Lemos isso em Gênesis 13:14-17, junto com a promessa de inumerável descendência.

Destaque Hebraico:

As palavras Hebraicas usadas das quatro direções onde Abrão foi convidado a dirigir seu olhar foram: “Norte” (em Hebraico é tzafonah), “Sul” (do Hebraico negbah), “Leste”, ou “Oriente” (do Hebraico kedmah) e, finalmente “Oeste” ou “Ocidente” – que em hebraico é YAMAH.

Em Português, estas palavras significam instruções exclusivas e muito específicas, mas dada a intensa fisicalidade do Hebraico como língua somos capazes de ver a origem dessas palavras.

Observação Gramatical: O final (AH), quando anexado à palavra significando localização, mostra o movimento direcional, similar ao Português “ao…”. A frase em Hebraico negbah, traduzida como “para o Sul” literalmente significa “para o Neguebe” (o deserto do Neguebe em Israel).

A frase YAMAH traduzida como “para o Ocidente” literalmente significa “para o mar”. E é aqui que que o encontro entre Jesus e Natanael parece apontar.

Deus mandou que Abrão olhasse para diversas direções, e dessas direções Ele daria a Abraão FILHOS, DESCENDÊNCIA, “Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre.”

O Mar Representa as Nações

O interessante que no Original em Hebraico, quando lemos que Deus manda Abraão olhar PARA O OCIDENTE, na verdade a ordem foi para olhar para o MAR. E o MAR representa os POVOS do MUNDO, as nações.

Portanto Deus já estava anunciando que do meio das nações, Ele daria filhos a Abraão. E quem são estes filhos de Abraão, do meio das nações? Somos nós os que CREEM EM JESUS O FILHO DE DEUS, O REI DE ISRAEL.

Por isso, Natanael chamou Jesus de REI de ISRAEL, porque o ISRAEL DE DEUS não é formado apenas pelos JUDEUS (os da Província da JUDEIA). O Israel de Deus é formado também pelos Galileus, pelos Samaritanos, pelos Essênios, pelos Qumranitas, pelos da Pereia, da Decápolis e também por NÓS os GENTIOS convertidos a Jesus.

Todos os que creem em Jesus são feitos filhos de Abraão:

“Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão.”
Gálatas 3:7

“E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa”.
Gálatas 3:29

Os que estão em Cristo formam juntamente com os de Judá, um corpo, chamado de Israel de Deus:

“E a todos quantos andarem conforme esta regra, paz e misericórdia sobre eles e sobre o Israel de Deus.”
Gálatas 6:16

Porque fomos enxertados nessa oliveira:

“E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira” Romanos 11:17

Portanto queridos, o encontro de Natanael com Jesus foi profético. Era a profecia que Deus iria unir todos os povos em um só corpo. O corpo dos Salvos em Cristo. Por isso Ele é chamado de Rei de Israel, pois nós juntamente com os Judeus formamos o Israel de Deus.

Ainda que alguns Judeus não creiam, mas mesmo assim as estatísticas mostram que mais de 1 milhão de Judeus aceitaram Jesus como salvador nos últimos anos.

Ainda que a maioria deles não creia em Jesus, mas como disse o Apóstolo Paulo, Deus vai se revelar a eles, o próprio Jesus vai se revelar aos Judeus. Eles passarão por tempos angustiosos, mas no final Crerão em Jesus, para que o Israel de Deus esteja completo de forma PLENA.

“Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado.
E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades.” Romanos 11:25,26

Avatar

Sobre o autor | Website

ישראל סילבה Casado com Ana Paula Curty, papai da Sarah Curty, formado em Hebraico Bíblico, Geografia Bíblica, e Contexto Judaico do Novo Testamento, é Especialista em Estudos da Bíblia Hebraica, certificado pelo Israel Institute of Biblical Studies da Universidade Hebraica de Jerusalém; Apocalipsismo Judaico, pela Keets alMayim.

Receba Estudos Bíblicos do Original Hebraico Bíblico!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!